Châteauneuf du Maule, el inicio de una aventura – Parte I

Em 2003, preparava-me para os exames finais da minha pós-graduação em Viticultura e Enologia na Universidade de Torino. E porque às vezes quando você abre uma porta, muitas outras também se abrem, a vida me levou a passar uma temporada –quase um ano- na cidade de Genebra, na Suíça.

Teoricamente, naquele ano, minha jornada pelo Velho Mundo deveria ter chegado ao fim. Como estudante, meu orçamento era limitado, mas eu tinha a direção, bons amigos, e queria aproveitar ao máximo meu tempo. Portanto, além de aprender francês, participei de tantas atividades e palestras interessantes quanto pude. Alguns estavam relacionados a tópicos de vinho, como um de Nicolas Joly, e outros a questões de contingência. Foi o caso de um de Noam Chomsky, realizado no auditório da universidade, em defesa da paz diante da guerra iminente no Iraque.

Com esse espírito, um querido amigo e eu planejamos uma viagem para conhecer os vinhos do Vale do Rhône. A nossa ideia era começar pelos Alpes, onde nasce o rio, e visitar as suas principais denominações e vinhas.

A viagem começou em Sion, no cantão suíço de Valais. Mais do que pelos seus vinhos, esta cidade é conhecida por aqueles que pertencem à minha geração por ser o lugar onde jogava Luka Tudor, o famoso jogador de futebol chileno. O Rhone atravessa aqui um vale estreito até entrar no Lac Léman (Lago de Genebra) em sua extremidade oriental. Esta área é plantada com variedades de uvas de ciclo curto cultivadas em terraços, principalmente Pinot Noir, Gamay, Chasselas e Val d’Ostanas Humagne Rouge e Petite Arvine. Da cidade de Genebra, na extremidade oeste do Lago Genebra, o rio recomeça seu curso, drenando o lago. Costumávamos ir àquele lugar para nos refrescar do calor de um dos verões mais quentes da Europa nos últimos tempos.

A partir daqui, o Rhone assume outra dimensão e ruma para terras mais conhecidas. Na cidade de Lyon, França, faz uma curva para o sul e inicia seu estrelato na vinificação. Em seu caminho, deixa para trás denominações como Côte Rôtie, Saint-Joseph, Hermitage e Cornas, todas baseadas em Syrah. À medida que se move para o sul, as temperaturas começam a subir e o rio passa por lugares surpreendentes, como a cidade murada de Avignon, que abrigou nove papas no século XIV. Na denominação de Chateauneuf-du-Pape, os vinhedos podados são plantados em solos de seixos rosa ou galets roulés. Lá, a Grenache domina e, em menor grau, variedades como Mourvèdre e Cinsault, bem como 10 outras uvas “menores”.

O Rhône termina a sua viagem não muito longe do porto de Marselha, onde a luz do Mediterrâneo e o vento Mistral predominam. Foi a partir daqui que, séculos antes, as vinhas seguiram o seu rumo oposto, transportaram-se para o norte e se espalharam pela Europa graças às legiões romanas que seguiram o curso do majestoso Rhone.

Ricardo Baettig

Enólogo Viña Morandé

Si te interesa saber más, pregunta AQUÍ

Suscríbete a nuestras aventuras…

    Translate »