House of Morandé, o Cadillac de nossa vinícola

Tirar o cargo das mãos de um dos enólogos mais importantes do Chile é um desafio e uma responsabilidade que sinto até hoje. Felizmente, não estou sozinho nessa tarefa. Na Viña Morandé somos uma equipe que complementa e aprecia o seu trabalho. Minha tarefa não tem sido substituir, já que isso é impossível, mas continuar uma visão e uma forma fluida e natural de sentir o mercado. Projetar para o futuro uma forma de compreender e interpretar as vinhas através dos vinhos que fazemos e que são a imagem de marca da Viña Morandé.

Fica fácil quando há generosidade e os propósitos estão unidos, como neste caso. No entanto, posso afirmar que fazer o ícone da vinícola, o vinho criado e sonhado pelo seu fundador, ainda me dá arrepios no estômago. É sempre um desafio difícil e belo enfrentar o desafio, ano após ano, colheita após colheita.

Recordo particularmente um momento do início desta aventura que serviu de referência para compreender, desde a boca do seu protagonista, o que é o nosso House of Morandé. Fazendo uma degustação com o público em um restaurante em Santiago, Pablo Morandé e eu dividimos os vinhos a serem apresentados. O último gole da noite, claro, foi o nosso House, e foi comentado pelo enólogo que a criou a partir do vinhedo, localizado no sopé do morro Chena, em frente ao povoado de San Bernardo, até sua vinificação. e armazenamento. Foi uma ótima maneira de entender os pontos firmes do que poderíamos chamar de um vinho de autor.

Como bom poeta que é, Pablo Morandé utilizou uma alegoria ou metáfora  ao descrever p vinho que não esqueci: “quando o bebo sinto-me a bordo de um Cadillac conversível, conduzindo-o confortavelmente, com o cotovelo na porta, a velocidade de cruzeiro, viajando quilômetros sem se cansar e curtindo a viagem. Um vinho com um paladar médio longo e poderoso, mas também delicado”. A única coisa que restou a dizer é que ele estava fumando seu charuto proverbial a bordo do Cadillac…

E se, ao ser testada, essa metáfora adquirisse todo o seu significado. Os dois lotes de Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc que dão vida ao House of Morandé são geridos e vinificados para criar um vinho envelhecido que combina a elegância estrutural de Maipo Alto com as particularidades do terroir de Chena. Por estar cercado por morros, cria-se ali um microclima um pouco mais quente do que na vizinha Puente Alto, embora ambos compartilhem o mesmo solo aluvial do terceiro terraço do rio Maipo. Estas particularidades, para além do contributo das águas ricas em sais, as que provêm dos vulcões onde nasce o rio, se unem graças à mão boa do enólogo para produzir uvas que darão origem a vinhos de grande volume, com notas de frutas pretas e especiarias.

Alguns anos depois, quando recebi a mensagem de Pablo Morandé para continuar a saga do nosso vinho, decidi manter o estilo deste Cadillac com um assento amplo e confortável com mudança de volante, mas fazendo alguns pequenos ajustes, como pintá-lode vermelho. Isso, graças a uma colheita anterior forçada tanto pela mudança climática quanto pela influência do cavalo saltitante Ferrari, que carrego dentro.

Se há um leve toque de arte no vinho, acho que pode ser encontrado no reflexo involuntário de nossa personalidade traduzido em um objeto. Nesse caso, um produto vivo como o vinho. Lá você vê algo de nossa natureza, de como somos. A partir da safra 2014 estou ao volante deste Cadillac. Conforme eu acelero, o vinho responde com seu álcool mais baixo e frutas mais vermelhas, que parecem uma brisa fresca. No entanto, mantém com firmeza as raízes no terroir que lhe deu origem e também no seu desenho construtivo, que lhe permite manusear este clássico durante anos e muitos quilômetros, com estilo, força e personalidade.

Si te interesa saber más, pregunta AQUÍ

Suscríbete a nuestras aventuras…

    Translate »