Nos ombros de gigantes – Golden Harvest

Essa frase, referindo-se aos avanços da ciência e atribuída a Newton (na verdade documentada cinco séculos antes por Juan de Salisbury), eu conheci graças a Umberto Eco e recentemente o livro de Stephen Hawking me fez lembrar dela. Aplicável a muitas disciplinas, eu emprestei para nominar esta história.

O meu primeiro contato com os vinhos elaborados com uvas botritizadas foi com as conceituadas uvas Semillon de Sauternes, num lançamento da nova safra da AOC. Uma enorme combinação de sabores e texturas doces. Mais tarde foi a vez do delicado equilíbrio entre doçura e acidez dos grandes Rieslings BA e TBA, diria que mais ao meu gosto, mas realmente o vinho que me surpreendeu foi o Tokaji.

Sem dúvida o fato de ter viajado a Tokaj por alguns anos com o produtor e amigo Gregorio de Tarczal, compartilhando seu esforço para produzir Tokaji nos antigos vinhedos de sua família perdidos na revolução e devolvidos pelo governo húngaro no meio dos anos 2000, contribuiu muito para esta percepção.

Uma cultura tão distante e pouco conhecida, uma língua única e diferente de todas elas, numa zona fronteiriça com a Ucrânia e a Eslováquia, com as suas casas escavadas como cavernas na rocha de Tufo, os barris feitos por antigos tanoeiros de imigração italiana, seus dois rios (Chalk e Bodrog) que convergem com temperaturas diferentes contribuindo para formar a névoa que apodrecerá as uvas Furmint e Harslevelü, o sistema de medição do grau de doçura em puttonyos, ou seja, os cestos de madeira que contém 25 kg de uvas botritizadas (Aszú), são sem dúvida uma experiência.

E quando acreditei, delirantemente, que sabia ou tinha experimentado “quase tudo”, o primeiro Golden Harvest Morandé aparece na mesa do meu casamento civil! Gesto sutil de um gigante gentil. Safra 2000, de Casablancalembrando que existem infinitas possibilidades também no Chile de produzir um vinho 100% a partir de uvas botritizadas, colhidas a mão e que refletem como nenhuma outra as brumas matinais do Oceano Pacífico e a cultura jovem de nosso país e de sua gente.

Em suma, as diferenças e virtudes destes vinhos históricos encontram-se em nosso Golden Harvest como uma bela descoberta. O Sauvignon Blanc mais aromático, mas também mais delicado, se beneficia notavelmente do nobre processo de podridão, tornando-o mais complexo, ganhando doçura e acidez. Compartilham o caráter de mel, frutas secas, damascos maduros, nozes e uma leve nota de cera.

PD: Morandé Golden Harvest “Sweet Wine of the Year” by Tim Atkin

Estamos muito orgulhosos que Tim Atkin, conceituado crítico britânico e Master of Wine, tenha distinguido no dia 5 de abril no seu Relatório 2021 do nosso país, o nosso Golden Harvest 2013 com 96 pontos e como o máximo expoente doChile emsua categoria. Vinho elaborado inteiramente de forma precisa, é feito apenas nos anos em que as uvas Sauvignon Blanc são 100% afetadas por botrytis cinerea, e que são adicionadas ao mosto na proporção equivalente a 6 puttonyos de uvas botritizadas.

Para mim esta é uma vindima muito particular visto que, depois das versões de 2000 e 2007, 2013 foi a primeira vindima em que, com a minha equipe enológica, conseguimos imprimir os elevados padrões de qualidade e o carimbo particular que nos transmitiu Pablo Morandé.

Ricardo Baettig

Enólogo Viña Morandé

Si te interesa saber más, pregunta AQUÍ

Suscríbete a nuestras aventuras…

    Translate »