Carmenere, maipo ou colchagua?

Muitas águas rolaram para Carmenere desde que foi redescoberta no Chile em 1994,

misturada nos vinhedos da Merlot. A variedade de ciclo longo (que  precisa de um longo período de boas temperaturas para amadurecer) é muitas vezes plantadas em solos marginais, muito úmidos ou férteis e nos anos 90 e 2000 aprendemos ao acaso que esta uva, que é tão nossa, requer certos cuidados e quebra de paradigmas.

Presos entre o carácter vegetal e o amadurecimento para escapar às notas excessivamente herbáceas que o vinho apresenta quando a vinha não é plantada num bom terroir, prestamos um mau serviço à reputação desta casta.

No entanto, há pouco mais de uma década aprendemos que embora necessite de temperatura, esta não deve ser excessiva, mas sim temperada, e que se prolongue no tempo. A par de uma mudança de estilo de vinhos mais maduros e alcoólicos para vinhos com maiores nuances de fruta fresca, Carmenere m mostra-nos que, em solos argilosos, mas com boa drenagem, sejam eles aluviais ou graníticos, pode dar-nos, sobretudo se forem vinhas maduras, alguns vinhos excelentes e, o mais importante, com identidade e caráter inconfundíveis. Picante, mas não verde, com taninos mais redondos que o seu primo Cabernet Sauvignon e acidez naturalmente inferior, oferece-nos uma grande escolha de vinhos gastronómicos. O caráter ligeiramente herbáceo mostra-nos uma uva de “clima frio” sem realmente crescer lá.

Pensando nisso, em Viña Morandé nos atrevemos a plantar Carmenere nos solos aluviais às margens do rio Maipo, bem perto de outra ponte, a da Ruta 5 sur. No nosso campo Romeral, procuramos os solos de cascalho do segundo terraço geológico do rio, que tinha uma proporção de argila maior do que da área destinada a Cabernet que também plantamos no campo. Em alta densidade, podando e cultivando a vinha para uma produção não superior a 1 kg por planta, este clima ameno, seco e fresco, tem-nos dado grande satisfação. As temperaturas que temos em Romeral são consistentemente mais baixas do que no setor mais central de Maipo e as brisas constantes que cruzam o o leito do rio nas tardes esfriam as temperaturas quentes do verão.

O resultado é um Carmenere único, que representa tudo o que há de bom e típico desta casta, ou seja, fruta preta, pimentões assados, algum fumo e uma boca volumosa e com frescor, sem notas verdes, mas com a picância de pimentas brancas, longa e com taninos macios que evoluem muito bem na garrafa.

O envelhecimento em 12 meses em barricas de terceiro uso aporta complexidade tornando o vinho ainda mais elegante.

Ricardo Baettig

Enólogo Viña Morandé

Si te interesa saber más, pregunta AQUÍ

Suscríbete a nuestras aventuras…

    Translate »