Malmau – de ator coadjuvante ao papel principal

Ao contrário de uma linhagem como a Syrah, recentemente incorporada ao Chile, a Malbec não é uma novata em nosso país. Há muito que existe no nosso território, embora fosse mais conhecido por Cot Rouge e servisse principalmente para melhorar a cor dos vinhos da região do Secano Interior.

Por sua vez, é provável que os profissionais estrangeiros que vieram para a Argentina tenham tido uma boa parcela de responsabilidade na atual avaliação do Malbec. Um deles é o enólogo italiano Attilio Pagli, que chegou a Mendoza na década de noventa chamado por sua grande experiência em Sangiovese. No entanto, Pagli ficou agradavelmente surpreso com o potencial da Malbec, uma variedade nativa do sudoeste da França, particularmente Cahors, e optou por ela. Ou melhor, deu ao povo de Mendoza a confiança comercial de que se tratava de uma casta de primeira linha.

No Chile, como na Argentina, esta variedade não era considerada uma estrela, mas sim coadjuvante, já que em ambos os lados da serra o cenário principal era reservado a Cabernet Sauvignon. Pablo Morandé conheceu a Malbec desde muito jovem, pois no campo da família Cauquenes houve uma vinha plantada com ele há mais de 80 anos. E, como era costume, era usado para blends. Em linha com o pioneirismo que nos caracteriza, Viña Morandé lançou no final dos anos 90 o seu primeiro Malbec dentro da linha Adventure.

Quando compramos o campo La Constancia em 2014, ele veio com um presente especial: um antigo vinhedo Malbec com pouco mais de 60 anos. Originalmente conducido em uma treliça, estava em um estado semi-negligenciado e, portanto, mais “relaxado” do que o ditado pela estrita escola de treliça vertical. Com apenas dois fios, as plantas cresceram quase como uma vinha no chumbo, e a qualidade dos seus pequenos cachos e bagas, deu vida ao primeiro Malmau (Malbec de Maule). Matías Michelini, junto com a nossa enóloga Daniela Salinas, encarregou-se em suas primeiras safras de nos mostrar o caminho com esta maravilhosa uva.

Malmau surge de uma vinha que se encontra a meio caminho entre a treliça e o vaso, plantada em solo granítico e muito equilibrada na sua produção, graças à idade das suas vinhas. Manipulamos em estado semi-árido, pois irrigada apenas uma ou duas vezes na temporada, dependendo do clima da safra. É colhido em três épocas distintas para que o vinho se pareça mais com “um filme e não uma foto” da vindima, como dizia Matías.

Cada um desses três componentes é fermentado separadamente em ovos de cimento. A primeira parte é colhida precocemente, com menor teor alcoólico, notas aromáticas mais  frescas e elevada acidez. Depois, no segundo ovo, fermentam as uvas que consideramos estarem no ponto exato de maturação. Eles entregam notas florais de violetas e taninos doces, o que os torna um componente que mistura tensão e frutas vermelhas. As uvas do terceiro lote caracterizam-se por entregar frutos mais negros, como amoras e cerejas, e apresentam maior volume e doçura.

As técnicas utilizadas durante a fermentação garantem uma extração suave dos sabores e componentes encontrados nas películas. A forma dos ovos possibilita um maior contato e imersão do chapéu no vinho, com um efeito que poderíamos assimilar ao de um saquinho de chá em água quente. O que queremos é dar tempo a esta difusão passiva da pele para o vinho e não “apertar o saco” para extrair com mais força, o que seria o caso se optásemos por remontagens tradicionais.

É mantido em barris de 500 litros. Ele completa o trabalho na adega e dá lugar ao trabalho do tempo, que culmina no envelhecimento em garrafas deste vinho que nasceu como ator coadjuvante, mas que, a partir de grandes atuações, conquistou o seu lugar entre as estrelas do cenário  vitícola.

Ricardo Baettig

Enólogo Viña Morandé

Si te interesa saber más, pregunta AQUÍ

Suscríbete a nuestras aventuras…

    Translate »